segunda-feira, 6 de abril de 2015

Garoto dos cabelos revoltos

 Segura em minhas mãos, vamos tentar mais uma vez, sei que ainda da tempo, pois o sol ainda não se foi. Garoto dos cabelos revoltos, de olhos soltos. Venha comigo. Venha dançar com o vento.
 Eu gosto desse seu jeito simples, desse seu sorriso largado, de gargalhas gostosas. Gosto desse seu modo de  vestir, não coloque terno não, fique assim. Tudo fica tao simples ao seu lado.
 Sua barba que esta ha dias sem fazer, deixe assim, eu gosto de toca-la, se liberte por esses dias. Vamos passear na praia, pegue de leve a minha mão, pegue de leve nossas vidas, Viva sua vida, viva nossa vida.
Você tem algo especial, aquele seu caderno com versos lindos, eles me enchem os olhos, cante para mim, cante para a lua.
  Escolhi esse seu jeito simples, essa sua vida simples, ela me completa, ela me enche. Sua banda de quintal, que todas as sextas se apresenta no barzinho, aquele som sempre me alcançou, enquanto eu ficava na janela olhando a lua cheia, Coloque Caetano, Djavan, Cicero, Castello Branco, e o doce do Leo Fressato, agora vamos dançar suavemente, você completa a dança, você embala a musica.
 Oh Garoto de uma riqueza simples. Oh Garoto dos chinelos abandonados na porta da casa, essa sua mania de deixar o chá esfriar na mesinha, enquanto assobia juntos com os pássaros. Oh menino do sol e da lua, fica aqui, some não. Você e diferente de todos aqueles que passou na minha vida. Você tem um ar de leveza. Vai não. Você existe, eu sei. Ah como sei. Disso sei.
 Você se destaca em meio a multidão da cidade grande. Sua alma e diferente, seu olhar busca o melhor no mundo, pois seu mundo e a simplicidade, a alegria da terra, você contempla os mais belos lírios, mais belos versos da vida. Fica aqui garoto. Vai não. O que vai ser de mim? Fica.