segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Ônibus

 Mais uma vez entrei naquele ônibus, ha um ano eu percorria o mesmo trajeto, uma mala de roupas, outra com câmera, carteira, livro, outra carregada de esperança e sonhos.
 As coisas não aconteceram do modo que imaginava, foi um tanto quanto embaraçoso, na verdade, foi apenas um tempo de reflexão. Algumas coisas precisavam ser mudadas, talvez eu precisasse ser moldada. Por um lado eu precisava pensar sobre meus atos do passado, precisava rever, precisava sentir, sentir o vento bater na pele, precisava me curar das feridas do ano anterior, me livrar da raiva, esquecer pessoas que ficavam em minha mente, aquelas vozes, as palavras cortantes, eu precisava.
 Foi um ano de libertação e aceitação, tudo e experiencia. E mais uma vez eu voltava, o vento batia em meu rosto, exalava o cheiro da natureza. Meus olhos contemplava a natureza, arvores, plantações, animais, uma estrada longa, uma oportunidade. de meus medos e anseios.
 Naquele ônibus, mais uma vez, os mesmos sonhos, porem com uma bagagem de experiencia. Agora muito mais perto de mim mesma, mais perto, mais longe de tudo aquilo que me afetava. Agora e seguir, seguir a estrada da vida, das conquistas.