segunda-feira, 6 de abril de 2015

Garoto dos cabelos revoltos

 Segura em minhas mãos, vamos tentar mais uma vez, sei que ainda da tempo, pois o sol ainda não se foi. Garoto dos cabelos revoltos, de olhos soltos. Venha comigo. Venha dançar com o vento.
 Eu gosto desse seu jeito simples, desse seu sorriso largado, de gargalhas gostosas. Gosto desse seu modo de  vestir, não coloque terno não, fique assim. Tudo fica tao simples ao seu lado.
 Sua barba que esta ha dias sem fazer, deixe assim, eu gosto de toca-la, se liberte por esses dias. Vamos passear na praia, pegue de leve a minha mão, pegue de leve nossas vidas, Viva sua vida, viva nossa vida.
Você tem algo especial, aquele seu caderno com versos lindos, eles me enchem os olhos, cante para mim, cante para a lua.
  Escolhi esse seu jeito simples, essa sua vida simples, ela me completa, ela me enche. Sua banda de quintal, que todas as sextas se apresenta no barzinho, aquele som sempre me alcançou, enquanto eu ficava na janela olhando a lua cheia, Coloque Caetano, Djavan, Cicero, Castello Branco, e o doce do Leo Fressato, agora vamos dançar suavemente, você completa a dança, você embala a musica.
 Oh Garoto de uma riqueza simples. Oh Garoto dos chinelos abandonados na porta da casa, essa sua mania de deixar o chá esfriar na mesinha, enquanto assobia juntos com os pássaros. Oh menino do sol e da lua, fica aqui, some não. Você e diferente de todos aqueles que passou na minha vida. Você tem um ar de leveza. Vai não. Você existe, eu sei. Ah como sei. Disso sei.
 Você se destaca em meio a multidão da cidade grande. Sua alma e diferente, seu olhar busca o melhor no mundo, pois seu mundo e a simplicidade, a alegria da terra, você contempla os mais belos lírios, mais belos versos da vida. Fica aqui garoto. Vai não. O que vai ser de mim? Fica.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Ônibus

 Mais uma vez entrei naquele ônibus, ha um ano eu percorria o mesmo trajeto, uma mala de roupas, outra com câmera, carteira, livro, outra carregada de esperança e sonhos.
 As coisas não aconteceram do modo que imaginava, foi um tanto quanto embaraçoso, na verdade, foi apenas um tempo de reflexão. Algumas coisas precisavam ser mudadas, talvez eu precisasse ser moldada. Por um lado eu precisava pensar sobre meus atos do passado, precisava rever, precisava sentir, sentir o vento bater na pele, precisava me curar das feridas do ano anterior, me livrar da raiva, esquecer pessoas que ficavam em minha mente, aquelas vozes, as palavras cortantes, eu precisava.
 Foi um ano de libertação e aceitação, tudo e experiencia. E mais uma vez eu voltava, o vento batia em meu rosto, exalava o cheiro da natureza. Meus olhos contemplava a natureza, arvores, plantações, animais, uma estrada longa, uma oportunidade. de meus medos e anseios.
 Naquele ônibus, mais uma vez, os mesmos sonhos, porem com uma bagagem de experiencia. Agora muito mais perto de mim mesma, mais perto, mais longe de tudo aquilo que me afetava. Agora e seguir, seguir a estrada da vida, das conquistas.

sábado, 24 de janeiro de 2015

Inicio-meio-Fim

 Ha dias estranhos. Ha dias que o frio no estomago, o aperto no peito, uma saudade do passado e futuro, ou, pelo menos poderia ser o futuro.
 Acordei com a noticia da morte de um tio da parte de mãe, acordei com o barulho do choro da minha mãe enquanto meu irmão conversava com ela. Na verdade a morte desse meu tio não foi repentina, digamos que a família já esperava o que poderia acontecer, vivíamos em meio a um alerta, a ultima noticia, ela boa ou ruim.
 Na verdade ele já havia sido diagnosticado com câncer ha alguns anos, vivia em tratamento, e nesses últimos meses o estado dele piorou, já esperávamos o que poderia vir. Mas a esperança sempre fica ali... atras da porta. Nao era tao próxima dele, pois não tenho muita proximidade com meus tios de parte de mãe e também de pai, pois moro distante deles. Mas nas ferias sempre via ele, um cara sorridente e brincalhão. Ontem todos foram para o velório e enterro em Minas, resolvi ficar, pois tenho que cuidar dos animais, e preferi também.
 Passei a tarde sozinha, refletindo. Sei la. O que somos?
A gente tem a mania de passar a vida. A VIDA. Reclamando, tristes, querendo mais e mais, querendo o que? Ser alguém? Mas nos somos alguém. Respiramos, existimos, agora temos que viver. Poxa, a gente esta aqui, temos apenas uma vida, uma oportunidade, e mesmo que exista outras vidas depois da morte, mas essa vida. Essa aqui, a de hoje, ela e unica. Se houver outras serão diferentes.
 Pra que essa mania de inferiorização? Somos belos. Somos únicos. Somos intensos. A vida passa, o tempo passa, gente vai e gente vem. Para que pressa? Pensei. Pensei, E pensei novamente. Quero viver, se não der certo algo que desejo e sonho, vou a luta novamente. Lembrei do meu pai que faleceu ha alguns anos em acidente. e conclui, a vida e bonita demais, unica demais, ela merece ser vivida.
 Pois tudo tem seu Inicio-Meio- Fim.